UMA GOTA D’ÁGUA NOS MEUS OLHOS

UMA GOTA D’ÁGUA NOS MEUS OLHOS

Oh meu Deus
Só um minuto, por favor…
O que me resta implorar ao senhor
De não deixar ninguém tocar.
Esta floresta aqui…

Não criastes Belo Monte
Eu bem sei.
Nem o Xingu
Para parar de fluir…
Acho que enlouqueci
Pois não quero crer.

Meu Deus:- Também lhe peço…
Proteção para os meus irmãos
Os das ribeiras agora sem o seu chão.
Sem plantar e colher e crer
Ter que chorar e ceder…

E o índio:- O que fazer meu Senhor
Já tão combalido vai sofrer muito mais.
E a terra… Vai adoecer…
Parte do seu pulmão.

Por isso guardo essa planta!
É um pau cravo de uma semente
Que o sabiá buscou.
Viu!

Oh meu Deus, o que será do amanhã.
Quando se muda a vida de um rio,
Da fauna os igarapés,
Os ambientes naturais.
Não é justo, são tantos os males feitos.
Como fazer energia matando a luz
Que o sol criou e dou
Para o verde e o viver…

Pelo dinheiro o homem vira um vilão.
Quer o poder e o mundo por quinhão.
No planalto a aberração
Sentam-se à mesa muitos ladrões.
Oh meu Deus
Só um minuto, por favor…
O que me resta é implorar ao Senhor
De não deixar ninguém tocar.

Estas florestas aqui…
Dê proteção para os sabiás…
Cuja semente trouxe
Para crescer aqui!
Snitramus
Editora de texto
Rosali Gazolla

Comments are closed.