Monthly Archives: fevereiro 2015

AS BESTAS

As Bestas Com fome e sedento Caminho assim Driblando a morte. Olhando no céu Busco nas estrelas Uma luz, não a sorte. Murmuro quase morto: Quero paz Não as delícias deste mundo. Porque tanto pranto e lamento De tantas almas sofridas Não sei Queria saber as causas. Para poder então morrer Não de sede e fome E a vida não… (more…)

APARÊNCIAS ENGANAM MAS O TEMPO NÃO PARA

APARÊNCIAS É clara a luz da vida Sublime, divina A todos, tudo, o sol ilumina. Numa aquiescência harmônica Ouve-se o cantar dos pássaros O rumor do vento como cântico.. Aquece e revitaliza a terra. Sempre algo renasce e anela, Ao dia que segue no seu tempo. As brisas passam ligeiras Anunciando o frescor da tarde, Enquanto o sol se vai… (more…)

SOLIDÃO

Solidão Onde o frouxo luar Passeia por entre as nuvens Tudo é silêncio. Meu amor Desamparo e triste Teima, sofre e sua. Mancha-se no lodo E ele escravo maldito Uma espécie de cão sem dono. Imploro uma ilusão Um alento pela vida Um quebranto de amor. Porém, nem um sopro de bonança Nem uma luz de esperança Vem ocultar soluçando.… (more…)