TROCANDO EM MIÚDOS

Não quero saber de nossa identidade

TROCANDO EM MIÚDOS

Não quero mais olhar nos olhos seus
Vou seguir o meu caminho sozinho.
E não se preocupe! Nada vou levar.
Adeus! O que restou é seu…
Se não me engano, sei que vais contar.
O avesso de quem foi voce, rindo.
E nunca mais quero seu corpo em mim. Juro!
Pois todo estrago é seu.
Meu peito sangra.
Tirei suas garras cravadas no meu coração
Nossas alianças,
Estão queimando junto com os lençóis
Não falo em miúdos já vou tarde, adeus.
Com certeza o nosso caso para mim finda
O vento e a chuva vão levar lavar
Alias!
Com o tempo passa a dor.
Rasguei seu retrato e fiz comigo um trato
Para esquecer que voce disse a mim amo.
E me esquecer do tanto que te amei
E de vez! Tirar voce da minha vida
Não quero saber de nossa identidade
Nem de saber do seu fim…
Não quero mais olhar nos olhos seus
Vou seguir o meu caminho sozinho.
E não se preocupe! Nada vou levar.
Adeus! O que restou é seu…
Meu corpo é brando!
Sem suas garras cravadas no meu coração
Nossas Lembranças,
Virou fumaça junto com os lençóis
Não falo em miúdos já vou tarde, adeus.
Com certeza nosso caso para mim finda
O vento e a chuva vão levar lavar
Tudo!
Apaga-se com o tempo um amor.
Deixei seu retrato e firmei o meu trato
Vou esquecer o quanto voce disse,te amo.
Snitramus
Editora de texto
Rosali Gazolla

Related Posts:

    Both comments and pings are currently closed.

    Comments are closed.

    • Facebook
    Pular para a barra de ferramentas