AUSÊNCIA

AUSÊNCIA

Numa sensação de torpor
Vindo lá das entranhas
Das feridas que a vida cria.

Uma ausência
Àquela que o tempo não leva
E que vira cicatriz.

Às frases sussurradas
Os beijos, as carícias
Chegam e alucinam.

Vasculham meus guardados
Em pleno vôo me dominam
Aquieto-me.

Não sei como explicar
Num diálogo perene e deleitoso
Minhas solicitações.

Mas buscando na imensidão
As forças profundas
Desperto meu coração…
Snitramus
Editora de Texto
Rosali Gazolla

Related Posts:

Both comments and pings are currently closed.

Comments are closed.

  • Facebook
Pular para a barra de ferramentas