ALFORRIA DO SAMBA

E já nasceu negro

ALFORRIA DO SAMBA
Quem não conhece a alegria do samba
Não brincou um carnaval.
E muito menos parou e pensou
O quão triste ele é
Só quem conhece a tristeza do samba
É uma luz vinda lá do céu.
Brilha e reluz sobre os barracões
Tira a solidão
O samba desce e sobe o morro
Driblando os preconceitos no vai e vem do sol.
O samba é negro e nasceu na Bahia
Onde o branco é irmão
Venceu os açoites. Que os poetas da noite
Rimaram fez raiz.
O samba se abriu e o mundo então viu
O quão harmonioso é.
Hoje o samba tem alforria
Símbolo! É senhor
Mas ele é triste e a tristeza do samba
È a alegria que balança o mar
E a cadencia das gotas que caem
Dos orvalhos das manhãs.
O samba é como uma oração
Cuja fé é a poesia
E o toque de um violão
Quem não conhece a alegria do samba
Não brincou um carnaval.
E muito menos parou e pensou
O quão triste ele é.
Snitramus
Editora de texto
Rosali Gazolla

Related Posts:

    Both comments and pings are currently closed.

    Comments are closed.

    • Facebook
    Pular para a barra de ferramentas