HOMENAGEM A CLARA NUNES

CLARA Francisca Gonçalves Pinheiro.

Caçula dos sete filhos do casal Manuel Ferreira de
Araújo e Amélia Gonçalves Nunes, Clara Nunes nasceu
no interior de Minas Gerais, em Cedro que na época
pertencia ao município de Paropeba e depois esse
distrito virou cidade e foi emancipado com o nome
de Caetanópolis, onde viveu até Segundo as suas
próprias palavras cresceu ouvindo Carmem Costa,
Ângela Maria e, principalmente, Elizeth Cardoso e
Dalva de Oliveira, das quais sempre teve muita
nfluência, mantendo, no entanto, estilo próprio.
Em 1952, ainda menina, Clara venceu seu primeiro
concurso de canto organizado em sua cidade,
interpretando “Recuerdos de Ypacaraí”. Como prêmio,
ganhou um vestido azul. Aos 14 anos, Clara ingressou
como tecelã na fábrica Cedro & Cachoeira, a mesma
fabrica para o qual seu pai trabalhou.
Teve que se mudar para Belo Horizonte, indo morar com
a irmã Vicentina e o irmão Joaquim. Em Belo Horizonte
Na capital mineira, Clara trabalhou como tecelã
durante o dia e fez o curso normal à noite.
Aos finais de semana, participava dos ensaios do
Coral Renascença, na igreja do bairro onde morava.
Naquela época, conheceu o Violinista Jadir Ambrósio,
conhecido por ter composto o hino do Cruzeiro.
Admirado com a voz da jovem de 16 anos, Jadir levou
Clara a vários programas de rádio, como
“Degraus da Fama”, no qual ela se apresentou com o
nome de Clara Francisca. Em 1960 já com o nome de
Clara Nunes e ainda como tecelã, ela venceu a etapa
mineira do concurso “A Voz de Ouro ABC”, com a música
“Serenata do Adeus”, composta por Vinicius de Moraes
e gravada por Elizete Cardoso. Na final nacional
do concurso realizada em São Paulo, Clara Nunes
obteve o terceiro lugar com a canção “Só Adeus”
(de Jair Amorim e Evaldo Gouveia). Contratada pela
Rádio Inconfidência, de Belo Horizonte, durante um
ano e meio teve um programa exclusivo na TV Itacolomi.
Nessa mesma época, cantava em boates e clubes, tendo
sido escolhida, por três vezes, a melhor cantora do ano.

Em 1965 foi para o Rio de Janeiro e passou a apresentar-se
na TV Continental, no programa de José Messias. Ainda
nesse ano, após teste, foi contratada pela Odeon, que, em 1966,
lançou seu primeiro LP, A voz adorável de Clara Nunes, em que
nterpreta boleros e sambas-canções. Em 1968, gravou Você passa
e eu acho graça (Ataulfo Alves e Carlos Imperial), que foi seu primeiro
sucesso e marcou sua definição pelo samba
Em 1979 lançou o disco Esperança. No ano seguinte veio Brasil
mestiço, que incluiu o sucesso Morena de Angola, composto por
Chico Buarque para ela. Em 1981 lançou Clara, com destaque para
Portela na avenida. No auge como intérprete, lançou em 1982 Nação,
que seria seu último disco.

Morreu em 02 de Abril 1983, depois de 28 dias de agonia, hospitalizada
após um choque anafilático ocorrido durante uma cirurgia de varizes..

Related Posts:

    Both comments and pings are currently closed.

    Comments are closed.

    • Facebook
    Pular para a barra de ferramentas